40 dicas práticas que irão transformar a sua pós-graduação numa brisa

Flickr credit: Bright Days and Wide Fields by Yves

Autor: Adrian Sgarbi. Tempo estimado de leitura: 9',39''

Eu gostaria de ter sabido antes o que contarei a você agora. Por isso reduzi estas dicas a bytes do meu computador. São 40 dicas no total. Considere cada uma delas como conselhos de um amigo. Conselhos para você usar na sua jornada de mestrado ou doutorado; para que haja menos drama e mais felicidade. Aproveite.

*   *   *

1. Leia primeiro materiais influentes. Comece lendo artigos influentes em sua área. Não serão muitos. Serão 5? 6? 8? Em geral, contribuições decisivas são mais difíceis de aparecer. Isso apenas acontece de tempos em tempos em cada área. No entanto, elas te oferecerão um norte. Por isso devem estar em primeiro lugar em sua pilha de leitura, ok? Depois, a maioria das contribuições que você vai ler será como dar pequenos passos em seu próprio trabalho. A razão é simples. Diferentemente das contribuições de grande impacto, essas contribuições aparecem em maior número. Serão 90? 100? Mais? Elas se avolumam de ano a ano. Assim, selecionar o que é importante para você é a chave aqui. Não se esqueça disso. Portanto, deixe-as para ler depois, quando você já souber o que você quer. Aliás, adotar esta estratégia permitirá que em pouco tempo você tenha uma boa percepção do que está movendo a sua área no momento.

 

2. Leia dissertações e teses bem avaliadas. Além de artigos, leia também uma dissertação laureada de ponta a ponta e, sendo o caso, leia uma tese de doutoramento premiada do começo ao fim. Essa leitura servirá para produzir a imagem de um modelo a ser seguido.

 

3. Converse com o seu orientador. O seu orientador é um personagem-chave da sua pesquisa. Peça a ele sugestões de leitura e conte com a sua experiência para chegar a um recorte promissor de pesquisa. Lembre-se de que uma das tarefas do seu orientador é ensiná-lo a pesquisar. Mas não confunda a tarefa de ajudá-lo a delimitar o seu tema com pensar o seu tema por você.


4. Não seja apressado na escolha do seu orientador. Informe-se sobre o histórico de seu potencial orientador e visite o seu currículo lattes. É desagradável ter que mudar de orientador enquanto se está escrevendo uma dissertação de mestrado ou tese de doutoramento. Portanto, analise todos os fatores, inclusive empatia e bom trato pessoal. Você já terá muito com o que se preocupar com a sua pesquisa. Evite ter que se preocupar com uma orientação ruim.


5. Saiba o que esperar e o que não esperar do seu orientador. A relação entre orientador e orientando pode ser bastante disfuncional. Por isso, não complique essa relação depositando nela grandes expectativas. Conheça os seus deveres e os deveres do seu orientador. Simplifique a sua vida.

 

6. Tenha um sistema de backup confiável. Acredite. É péssimo perder páginas de trabalho. Um amigo contou-me que perdeu páginas de sua tese de doutoramento por falha do Hard Drive do seu computador. Muitos meses depois de ter reescrito as páginas perdidas, ele contou em um jantar que as páginas originais eram melhores. Evite essa situação. Faça isso por você mesmo.

 

7. Planeje. Planejar o que você deve fazer é um dos aspectos mais importantes do seu trabalho. Antecipar o que deve ser feito ajuda a reduzir o estresse de viver com prazos apertados. E se há algo que é sempre bom se poupar, é do estresse.

 

8. Seja flexível.  Pesquisar é sair de um conhecimento que você possui para chegar a um conhecimento que você não possui. Portanto, quando você pesquisa, está colocando algo de indeterminado em sua vida. Por isso, haverá momentos em que você terá que dar um passo atrás; outros, em que você seguirá dois à frente. Isso é normal. Não se assuste.

 

9. Não apresse o início de sua escrita. Antes de escrever, você tem muito trabalho a fazer. Você deve pesquisar. Começar a escrever prematuramente é tão ruim quanto começar a escrever com o prazo curto. Amadureça o seu tema em sua cabeça primeiro; depois escreva. Não tente escrever desde o primeiro dia. Isso é um erro.

 

10. Formule o seu tema de modo objetivo.  Conte em apenas um único parágrafo o seu tema de trabalho. Por exemplo: "Estou trabalhando o tema A porque quero descobrir se B explica C. Caso assim seja, penso que estarei contribuindo para D". Isso é importante porque é dessa objetividade que depende o desenvolvimento e a análise da qualidade do seu trabalho.

 

11. Estabeleça metas a curto prazo, ainda que você esteja olhando a longo prazo. Isso o ajudará a manter-se com uma boa sensação de missão cumprida a cada semana. Além disso, estabelecer metas palpáveis permite rever o plano inicial e adaptá-lo à realidade.

 

12. Não jogue material escrito fora.  Há situações em que jogamos bons insights fora, por não termos plena compreensão do que eles representam. Portanto, crie uma pasta para seus materiais descartados. Não os elimine. De vez em quando, visite essa pasta.

 

13. Organize pastas relacionadas ao projeto. Na pasta de seu projeto crie duas subpastas. Uma para textos não lidos e outra para textos lidos e anotados. Ter tudo organizado poupará o seu tempo e o protegerá de irritações.

 

14. Mantenha uma bibliografia anotada com dados completos. Caso você esteja salvando um pouco de neurose para algo em particular, guarde para esta parte também (a outra é para os backups). Ter que buscar dados de um texto sem saber onde e quando ele foi obtido não é agradável. Principalmente se o texto for importante e de citação necessária. Portanto, anote a referência completa na própria cópia do documento, seja esta cópia eletrônica ou não. Inclua, inclusive, o ISBN (se livro) ou o ISSN (do periódico, se artigo).

 

15. Disponha de um sistema de anotação que esteja em todo lugar. Eu já tive inúmeras ideias enquanto corria. Para a minha dissertação, tese e inclusive para este blog! Tenha um iPod que permita criar breves notas ou gravar a sua voz. Vale o investimento.

 

16. Construa um glossário. É pecado mortal não ser consistente na terminologia usada. Como alguém vai entendê-lo se você muda a todo instante o uso da mesma definição? Portanto, mantenha um documento com as definições dos termos que você recorrentemente usar. Se você usa mesmo termo ele deve ter o mesmo significado; e termos distintos devem ter significados distintos. Atenção redobrada para isso.

 

17. Não confunda as suas anotações com texto escrito. Anotações podem condensar informação, podem ser confusas para outros leitores e podem ser desorganizadas. Mas não o seu texto escrito. Quando você estiver escrevendo, pense em seu público-alvo. Coloque apenas uma ideia em cada parágrafo. Por isso, entenda que se você tem 200 páginas de anotações, isso não significa que você já escreveu 200 páginas do seu trabalho. Não mesmo.

 

18. Aprenda a usar o seu processador de texto antes de começar a escrever. Processadores de texto são capazes de facilitar muito a sua vida – se bem usados – e infernizá-la, se mal usados. Escolha um processador de texto simples e que seja capaz de funcionar com um gerenciador de bibliografia. Aprenda a usá-los.

 

19. Escreva todos os dias.  Quando você escreve, novas ideias aparecem. Ideias vêm de outras ideias, não do vazio. Escrever ajuda não apenas a avançar com o seu trabalho, mas a torná-lo mais sólido a cada momento que você o reescrever. Portanto, escreva todos os dias, ainda que pouco.

 

20. Escreva livremente. Pense em uma sentença inicial e a partir daí libere o seu pensamento. Não se preocupe com a escrita desordenada. Você ordenará as suas frases e ajustará tudo revendo o seu texto inúmeras vezes.

 

21. Comece com algo que você deixou no dia anterior. Nunca esgote completamente uma ideia se você estiver no final de seu horário de escrita. Isso o ajudará a começar melhor o seu trabalho no dia seguinte. Olhar uma folha em branco pode ser assustador. Com essa técnica, você evitará isso. Apenas anote por onde você deve começar no outro dia.

 

22. Procure começar com algo que não seja muito complicado.  Comece revendo um pouco o seu texto; isso o ajudará a imergir-se na escrita. Essa é uma boa solução quando não se tem uma ideia a seguir que tenha sobrado do dia anterior.

 

23. Lide melhor com bloqueios. Caso se sinta bloqueado em sua escrita, leia o seu texto desde o começo. Ler o que já está escrito o ajudará a retomar o ritmo de trabalho.

 

24. Escreva e edite depois. Ideias não seguem de modo linear. Ainda que você precise domesticar seu pensamento para que outros possam entendê-lo, impor isso desde logo bloqueará a fluidez de suas ideias.

 

25. Não se preocupe com o número de páginas, concentre-se no conteúdo que você quer escrever. Você pode ter muitas páginas bem escritas, mas se o conteúdo não atender aos requisitos para que se tenha uma dissertação ou uma tese de doutoramento, de pouca valia será ter escrito 1.000 páginas. Concentre-se nos argumentos. Deixe o seu texto limpo. Elimine o que sobra em seus parágrafos.

 

26. Divida o seu tempo de escrita em ciclos. Use espaços de 25 minutos de trabalho para cada 3 a 5 minutos de descanso. Depois de 4 tempos completos, descanse 10 minutos. Não interrompa de modo algum os seus momentos de trabalho. Corte todas as distrações.

 

27. Escreva partes de sua dissertação ou tese como papers do curso. Sempre que possível, escreva parte do seu trabalho como papers das disciplinas do curso. Você estará com isso avançando em direção à sua dissertação ou tese e ainda poderá contar com mais outra apreciação de um professor do programa. Quem sabe, inclusive, um professor que poderá fazer parte de sua banca.

 

28. Tenha um gerenciador de bibliografia. Gerenciadores de bibliografia resolvem o problema de ter que repetir a mesma informação cada vez que se deseja citar uma obra e, ao mesmo tempo, elimina o problema de esquecimento de colocar a referência de alguma obra na bibliografia. Um gerenciador faz isso automaticamente para você.

 

29. Saiba o momento de parar. A pior coisa que você pode fazer é chegar à exaustão. Estipule um tempo de escrita diária. Escrever uma dissertação ou uma tese de doutoramento não é uma corrida de 100 metros; é uma maratona. Não se esqueça disso. Poupe energia.

 

30. Arrume a sua mesa todos os dias. Isso é importante para acalmar seus pensamentos. Somos seres de rituais. Use essa rotina para dizer a você mesmo que o dia de trabalho está encerrado.

 

31. Tenha um leitor de controle. O objetivo de ter um leitor de controle é trocar ideias prematuras e testar argumentos quando você está apenas na fase do rascunho. Em geral, um bom leitor de controle está ao seu lado, em sua turma de mestrado ou doutorado. Ache-o.

 

32. Preserve a sua vida social. Deixe-me dizer outra vez. Muitos se esquecem desse detalhe e cancelam toda a vida social. Lembre-se que escrever uma dissertação ou uma tese de doutoramento é uma maratona, não uma corrida de 100 metros. Portanto, calma. Não tenha pressa. O segredo não é a pressa; o segredo é o planejamento. Mantenha contato com os seus amigos. Guarde tempo para a sua vida social.

 

33. Tenha uma distração. É importante distrair-se. Quando estamos relaxados, ideias e soluções a problemas aparecem. Caso você esteja se matando porque não consegue chegar a uma solução, pare para brincar como o seu animal de estimação ou vá caminhar. Não use o Facebook para se distrair. Saia de perto da sua mesa.

 

34. Aceite que altos e baixos são comuns. Se "eu odeio meu orientador" é algo que se escuta por aí, provavelmente "eu odeio a minha dissertação ou tese" não perde por muito. Maneje isso conversando com alguém que você ama e siga em frente.

 

35. Aceite as suas  imperfeições. Mesmo depois de reescrever, muitas vezes sigo mantendo a sensação de que eu poderia ter feito melhor. A questão é não deixar que isso paralise você. Portanto, aceite imperfeições em seu trabalho. Mas é claro: desconsidere essa dica se a sua profissão for fazer cirurgias no cérebro!

 

36. Descanse. A pior coisa é ir dormir e ficar pensando na tese sem parar. Respeite o seu tempo de sono. Descansado, você terá melhores condições de desenvolver um trabalho produtivo depois.  

 

37. Tenha uma leitura fora de sua dissertação ou tese. Não coloque na leitura apenas a carga do trabalho. Pegue na biblioteca ou compre um livro que você deseja muito ler. Opte por livros pequenos os quais você possa provar o sabor de terminá-lo em pouco tempo. Deixe para ler Guerra e Paz em outro momento.

 

38.  Teste as suas ideias. Apresente o seu trabalho em seminários. Discuta-o. Observe que você terá que apresentar a sua dissertação ou a sua tese de doutoramento a uma banca. Por isso, prepare-se para receber perguntas já nos seminários. Além disso, grave as perguntas e procure avaliar o seu desempenho depois, com calma.

 

39. Informe-se sobre o dia de defesa. Depois de depositar o seu trabalho, converse com o seu orientador sobre como funciona o rito de defesa. Ainda que você tenha assistido algumas bancas, uma conversa com o seu orientador permitirá que você peça conselhos e pergunte qual a melhor maneira de apresentar cada parte do seu trabalho. Até porque, o seu orientador pode oferecer a você conselhos importantes de último momento.

 

40. Assista uma ou duas defesas durante o próprio curso de mestrado ou doutorado. As defesas são públicas e não é necessário pedir licença a ninguém para ser parte de seu auditório. E caso você tenha dúvidas sobre o que assistiu, não tema em perguntar ao seu orientador quando vocês se encontrarem para orientação. Isso lhe dará perspectiva de horizonte.